Livros

A Escolha


Esse post faz parte do projeto Lendo Kiera Cass, clique aqui para saber mais.

Título original: The One
Autora: Kiera Cass
Ano de lançamento: 2014
Editora: Seguinte
Páginas: 352
Avaliação: 

Quando foi sorteada para participar da Seleção, America não imaginava que chegaria tão perto da coroa - nem do coração do príncipe Maxon. Com o  fim do concurso cada vez mais próximo e as ameaças rebeldes ao palácio ainda mais  devastadoras, ela se dá conta de tudo o que está em  risco e do quando precisará lutar para alcançar o  futuro que deseja. America já fez sua escolha, mas  ainda há muitas coisas em jogo... Aspen, seu  antigo namorado, terá de encarar um futuro longe  dela. E Maxon precisa ter certeza dos sentimentos  da garota antes de tomar a grande decisão, ou  acabará escolhendo outra concorrente. 

Se em A Elite eu não me cativei muito, em A Escolha foi totalmente o oposto. Muitas coisas difíceis acontecem nesse último livro da falecida trilogia e terceiro livro da desnecessária série. A obra está repleta de sentimentos bons, como amor e amizade; e de sentimentos ruins, como guerra e luto. Parece difícil acreditar que algo de bom iria sair no meio de tanta mistura sem ao menos perder um pouquinho do foco, mas isso realmente não acontece. Somos levados a um mundo triste, mas que ainda tem esperança de uma vida melhor; também de grandes surpresas que, nem eu, que já tinha lido o livro antes, estava esperando (acho que não absorvi totalmente a história na primeira vez que li).

E, bom, o que dizer dessa America que eu amei e odiei quase que na mesma intensidade? Ela me irritou quase em todos os momentos, mas sempre havia uma ou outra ação que a fazia nobre, boa. Vi muito disso em vários outros personagens de outros livros e cheguei a uma conclusão: esse é o melhor tipo de personagem. Sim, melhor. Eu digo isso porque, na minha percepção de personagem perfeito, a perfeição não pode existir (confuso, né? rs). Para um personagem ser bem feito, defeitos precisam existir. Isso os torna mais reais, mais gente como a gente. America é a representação fiel do que acabei de dizer, mas Aspen e Maxon também se incluem. Em muitos momentos a vontade de sacudi-los foi grande, mas essas coisas tiveram boa parte da culpa de todos eles serem tão bons personagens. Kiera, mais uma vez, tem os meus parabéns.

Mas, calma, não tô perdoando a Kiera por ter me deixado tão confusa em relação aos acontecimentos dos livros, mas estou dizendo, com certeza, que este último livro me fez ver tudo diferente. Foram muitos sentimentos e poucas palavras para poder descrevê-los. Descobri que, quando isso acontece, é porque o livro realmente se tornou especial para mim.

Eu nunca falo muito sobre o que acontece na história porque sou péssima em fazer isso e não soltar nenhum spoiler. E, sinceramente, não acho que a parte de falar sobre a história do livro seja tão importante. Sou melhor falando sobre o que senti lendo o livro, e não descrevendo o que acontece nele. Isso vocês irão poder conferir pela sinopse e, claro, lendo o bendito livro.

Quero terminar o post dizendo que, para mim, o universo e os personagens fantásticos criados pela Kiera deveriam ter parado aqui, no terceiro livro. Já li os outros dois livros da série e, sinceramente, não foram tão bons a ponto de eu abrir mão da trilogia. Mas, claro, o projeto que eu criei consiste em ler todos os livros da autora, então resenharei esses últimos dois livros da série também.

Gostaram do post? Me contem dos comentários! 

xoxo
pessoal

Feliz dia dos namorados + um ano de namoro, amor.

"Nossa, que novidade a Milena falando do Douglas"

Se muitos leitores aqui do blog conseguem me aturar falando dele no twitter, no instagram e no facebook, acho que não vou perdê-los por fazer uma extensãozinha e falar sobre ele aqui também, né? haha. Juro que serão só em momentos importantes, como esse. Há poucos dias completamos um aninho de namoro de muito amor e carinho e brigas bobas e arrotos e peidos e compartilhamos o nosso segundo dia dos namorados juntinhos, com muitos filmes de terror, comédia e romance e pizza. Estou tão, mas tão feliz nesses últimos dias que senti que não era justo não deixar tudo registrado aqui.

Essa foi nossa primeira foto:


Foi a minha primeira vez na casa dele e eu estava SUPER nervosa com isso. Agora, imaginem o quão mais nervosa eu fiquei quando, nesse mesmo dia, soube que tínhamos que sair para visitar a vó dele, haha. Conheci boa parte da família logo que começamos a namorar e isso me meteu um medo danado, mas foi incrível. Soube que, além de ele ser a escolha mais certa que já fiz, também acabei ganhando mais parentes queridos. 

Essa montagem de fotos foi feita no primeiro dia em que me senti totalmente a vontade ao lado dele enquanto não estávamos sozinhos. 


Lembro que, nos dias anteriores, sempre tinha medo de fazer ou falar a coisa errada. Talvez porque ele tenha sido o meu primeiro namorado sério, eu acho. Foi um ótimo dia, mas eu poderia ter melhorado o ângulo das fotos, né? haha.

Eu sempre fui a louca das montagens de fotos por um único motivo: nunca soube escolher qual foto era melhor pra postar. 





Cada fotinho dessas é um momento feliz no meu coração. Todas as risadas por causa das caretas sem sentido que insistíamos em fazer... ainda quero imprimir e emoldurar todas e pendurá-las na parede que eu vejo quando acordo, para sempre lembrar do motivo dos meus sorrisos: ele. 

Essa foram as nossas últimas fotos e eu quase morro de tanto rir sempre que leio a legenda, hahaha.


"Vamos começar bonitinhos"
"Agora vamos de casal apaixonado"
"Ok, agora a clichê"
"Pra encerrar, finge que eu falei algo MUITO engraçado"
"Será que ficaram boas?"
FICARAM ÓTIMAS!

Ok, chega de fotos. Eu comecei o post querendo fazer um texto mesmo, com vários parágrafos, mas fui lembrando das fotos e colocando-as aqui e, quando vi, o post já estava enorme. Espero que eu não tenha enjoado vocês com tanta melosidade, rs.

O fato é que eu nem sempre fui assim. Houve uma época da minha vida em que o que eu menos queria era me apegar a alguém. Sempre acreditei que dependência deixava as pessoas fracas e, sinceramente, ainda acredito nisso. Que bom que não me sinto dependente. O que eu tenho com o Douglas é muito melhor. Sinto que quero estar com ele todos os dias da minha vida, mas não que preciso, sabe? Eu viveria sem ele, mas eu simplesmente não quero isso.

Eu o conheci no Tinder, acreditam? Hahaha

Foi super aleatório. Eu tinha acabado de excluir o APP porque meu celular estava ficando sem memória, mas aí, em uma madrugada tediosa de sábado, resolvi instalá-lo novamente. Foi aí que rolou o famoso Match e começamos a conversar. Trocamos mensagens por duas semanas e eu soube que ele, de fato, era uma pessoa interessante. Ainda não queria namorar, casar, ter filhos, etc, mas sabia que queria conhecê-lo pessoalmente. Na noite em que nos vimos pela primeira vez  eu estava super nervosa. Não me senti desconfortável, ele não deixou que isso acontecesse, mas o nervosismo não sumia de jeito nenhum, pelo menos não até ele soltar AQUELE sorriso. Mesmo com todos os romances que eu já tinha conhecido nos livros, filmes e séries, ainda não tinha entendido como alguém pode se apaixonar tão rápido, até aquele momento. Vocês precisam entender que o Douglas não tem apenas um sorriso bonito. O sorriso dele transcende qualquer adjetivo que eu conheça. Juro que eu fiquei até emocionada quando vi aqueles dentinhos separados pela primeira vez. Foi mágico, simplesmente mágico.

De tanto falar "eu não tô pronta pra nada sério agora" eu quase o espantei. Acabou que eu tive que pedi-lo em namoro e dizer o tão temido primeiro "eu te amo". Mas, sei lá, acho que foi melhor assim. Sabia o quanto ele tinha medo de me assustar e que o fato de eu ter feito essas duas coisas não significa que ele não queria ou não sentia o mesmo. Nós já estávamos namorando e já nos amávamos muito antes de as palavras serem ditas. O mais legal é que eu ainda sinto o mesmo friozinho na barriga toda vez que o vejo, seja quando eu acordo com ele me dando bom dia ou quando estou saindo da escola e o vejo me esperando no portão (com um casaco meu na mão porque nunca saio de casa agasalhada o suficiente). Ele foi o meu primeiro amor e será o último, eu sei disso.

Preciso encerrar o post com mais uma foto (desculpa, gente). Essa é a minha foto preferida com ele. Acho que nunca vamos conseguir superá-la (talvez no nosso casamento, quem sabe? rs).


Um feliz Dia dos Namorados para aqueles que têm um mozão para chamar de seu e um feliz Dia do Amor para aqueles que, mesmo ainda não tendo um, acreditam que o amor é tudo o que precisamos para viver. E isso também serve para aqueles que não querem um namorado, um marido e/ou filhos, viu? Serve para todos! 

xoxo
Kiera Cass

Projeto Lendo Kiera Cass


Quando me perguntam sobre meus livros preferidos, eu sempre acabo respondendo O Pequeno Príncipe, Extraordinário e A Lista Negra. Sinto que eles foram os livros mais marcantes da minha vida. Os livros da Kiera não são os meus preferidos da vida, mas sinto um carinho tão grande por cada um deles que sinto uma necessidade enorme de compartilhar esse sentimento. Ter um blog, em momentos como esse, é realmente muito conveniente.

Pensando sobre como eu sou apaixonada por cada palavrinha que a Kiera Cass escreve, resolvi criar esse projeto aqui para o blog. A trilogia A Seleção (sim, eu sei que agora é série, calma miga) sempre foi e, muito provavelmente, sempre vai ser uma das minhas preferidas e sinto que vocês, que ainda não conhecem o mundo incrível que a Kiera criou, merecem conhecer agora mesmo.

Nos próximos dias eu estarei postando resenhas de cada um dos contos e dos livros da Kiera na ordem que eu acho que é a mais acertada para se ler a história. Quem quiser participar do projeto mas não tem os livros eu indico o meu site queridinho que fez com que eu gostasse de ler, o LeLivros. Lá vocês irão poder ler os livros da Kiera (ou de qualquer outro autor) online ou em pdf. Irei deixar o link com todos os livros do projeto disponíveis aqui.

Livros e contos principais
A Seleção
O Príncipe (conto)
A Elite
O Guarda (conto)
A Escolha

Contos extras
A Rainha
A Favorita
+ bônus surpresa

Fim da trilogia e começo da série
A Herdeira
A Coroa

Livro individual
A Sereia

Espero muito mesmo que vocês me acompanhem nesse projeto maravilho. 

xoxo
Livros

12 citações que me inspiram


Olá, vocês.

Por causa da minha enorme paixão por livros, filmes e séries, a minha lista de "frases inspiradoras" é praticamente idêntica àquelas cartas quilométricas de fã. Resolvi trazer as minhas preferidas para vocês *~*

"A vida é uma série de escolhas, uma combinação de momentos pequenos que, adicionados aos grandes, tornam você quem é." Glee

"Mesmo quando achamos que já vimos de tudo a vida pode nos surpreender e ainda podemos surpreender a nós mesmos." Gossip Girl

"Você sempre será o melhor de mim." Querido John

"Se fosse possível argumentar com pessoas religiosas, não haveria pessoas religiosas." House

"Nunca conheci ninguém que realmente acreditasse que eu era suficiente. Até te conhecer e você me fazer acreditar também." Amor e Outras Drogas

"Quando você se importa com as pessoas, se machucar vem no pacote." The Walking Dead

"Se as pessoas fossem chuva, eu era garoa e ela, um furacão." Quem é Você, Alasca?

"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas." O Pequeno Príncipe

"A única razão de sermos tão apegados em memórias é que elas não mudam, mesmo que as pessoas tenham mudado." Supernatural


"Toda pessoa deveria ser aplaudida de pé pelo menos uma vez na vida, porque todos nós vencemos o mundo." Extraordinário

"Me apaixonei do mesmo jeito que alguém cai no sono: gradativamente e de repente, de uma hora para a outra." A Culpa é das Estrelas
O blog ficou um tempão sem atualizações e eu sinto muitíssimo por isso, mas agora o plano é ter dois ou três posts por semana, toda semana. Espero que não tenham desistido de mim e do meu cantinho, viu? Vocês são incríveis e logo estarei lendo os posts que perdi e retribuindo os comentários carinhosos de vocês.

xoxo
 
Filmes

Alice no País das Maravilhas

Olá, vocês. 


Existe uma rixa natural entre os amantes de livros e os amantes de filmes, um sempre dizendo que sua paixão é a melhor. Eu, sinceramente, tenho que concordar com os dois. Assisti muito mais filmes do que li livros, mas a maior parte das minhas leituras me trouxe muito mais sentimentos do que em muitos filmes que assisti. A verdade é: sempre teremos um preferido quando se trata de um livro que ganhou uma adaptação para o cinema, então, por conta disso, achei super válido fazer um tipo de "batalha" entre livros e filmes aqui no blog. 





Título original: Alice in Wonderland
Autor: Lewis Carroll
Ano: 1865
Editora: Universo dos Livros
Páginas: 108
Leia online ou baixe o livro aqui

Infelizmente, tive o azar de comprar uma edição não muito boa. O livro veio com um número considerável de erros e isso me deixou bastante chateada, mas isso não é história para este post. 

Uma garota curiosa, teimosa e que adora uma aventura, Alice acabou sendo muito parecida com a imagem que fiz dela em minha cabeça, quando só tinha "ouvido falar" da história. Eu meio que já sabia o que iria acontecer no livro porque, bom, é um clássico e, como a maioria dos clássicos, nós acabamos pegando pedaços da história ao longo do tempo, seja em conversas entre amigos ou em redes sociais. Mas, mesmo não tendo nenhuma grande surpresa, a obra não perdeu o brilho para mim.

A situações que ocorrem no livro nos são dadas logo de cara, sem muito tempo para introduções, e eu até que gostei disso, mesmo sabendo que esse fato faria com que o livro acabasse bem mais depressa, o que quase nenhum leitor gosta normalmente. Isso me agradou porque Alice vive realmente muitas aventuras, e, talvez, muitos detalhes sobre cada uma delas deixaria tudo muito massante e eu faria uma leitura arrastada, sem muita animação.

Acho que o ponto mais negativo do livro foi com, curiosamente, o meu personagem preferido no filme: o Chapeleiro. Senti falta dele na história e, quando ele aparecia, realmente não me cativava como aconteceu nos filmes.

O final do livro é maravilhosamente lindo e inspirador. Com certeza foi um dos melhores que eu já tive o prazer de ler. O último trecho veio quentinho e aconchegante e eu amei tanto que tive que reler várias vezes. 

Finalmente, ela imaginou como sua irmãzinha, no futuro, se transformaria em uma mulher adulta, e como ela iria manter, através de sua maturidade, o mesmo coração simples e afetuoso da sua infância. Conseguiu ver que ela sempre estaria cercada de criancinhas e faria os olhos delas brilharem com muitas histórias estranhas, talvez até mesmo com o sonho do País das Maravilhas de há muito tempo. E como ela adoraria compartilhar suas tristezas simples e alegrar-se com suas brincadeiras ingênuas, lembrando-se da sua própria infância e daqueles felizes dias de verão. Fim.




Título original: Alice in Wonderland
Diretor: Tim Burton
Ano: 2010
Assista online aqui

Esse filme deve ser uma das adaptações de livros clássicos mais vistas dos últimos tempos e, preciso confessar, é uma das minhas preferidas. Mas, é claro, isso já não é nenhuma surpresa, já que o filme foi dirigido pelo excelente Tim Burton (seu nome, com certeza, deveria ser um elogio). Eu amo a maioria de seus filmes e, os que ainda não disse que amo é porque, provavelmente, ainda não assisti.

Uma das coisas que mais me chamaram a atenção no filme foi, sem sombra de dúvidas, a fotografia. O cenário é realmente irresistível; como um sonho, de fato. Assim que o assisti pela primeira vez, lembro que decidi assistir novamente apenas para apreciar melhor os detalhes. 

O elenco não poderia estar melhor, já que conta com um dos meus atores preferidos no mundo: Johnny Depp. Ele, sem nenhuma surpresa, se tornou o meu personagem favorito com suas perguntas estranhas e sem respostas. Roubou a cena diversas vezes e isso, com certeza, não me incomodou nadinha, mas não posso deixar de dizer: o resto do elenco também foi escolhido maravilhosamente bem. A Rainha Branca... sem palavras para tanta perfeição 

Recomendo muito esse filme para quem ama fantasia com MUITA aventura; personagens que prendem a atenção e, claro, diálogos que nos fazem pensar e nos deixam com sentimentos bons no coração.

Qual a diferença entre um corvo e uma escrivaninha?


Essa é, com certeza, uma escolha muito difícil. Eu poderia, facilmente, ter essas duas obras como as minhas favoritas, mas, já que o propósito é que eu escolha qual me cativou mais, temo que terei que ficar com o...

Filme. 

A maioria dos leitores acabam assistindo às adaptações porque querem uma imagem real daquilo que leram, mas isso quase nunca os faz ter como preferência o filme e não o livro. Comigo isso acontece bastante, mas não nesse caso. O filme me deixou de boca aberta com tamanha beleza e, por mais que eu tenha amado muito ler o livro (planejo relê-lo em breve), sinto que senti melhor a história através do filme. 

Espero muito que vocês tenham gostado do post e, claro, me contem nos comentários: livro ou filme?

xoxo

Instagram @milenaschabat

Subscribe